20 março 2019

ENERGIA RENOVÁVEL PROVENIENTE DA COGERAÇÃO PARA ENFRENTAR AS QUESTÕES DE DESPERDÍCIO DE ALIMENTOS.

Comida é vida. Mas o desperdício de alimentos é um problema econômico, ético e ambiental. Um grande problema. Não inteiramente reconhecido, divulgado e compreendido. Sabe qual é a percentagem de comida que é desperdiçada todos os anos? 30% do total de alimentos produzidos para consumo humano, isto é, cerca de 1,3 bilhão de toneladas por ano. Este é um problema econômico, pois o desperdício de alimentos representa US$ 680 bilhões nos países industrializados e US$ 310 bilhões nos países em desenvolvimento (fonte: FAO).  

É um problema ético porque mais de 1 bilhão de pessoas passa fome. Uma em cada seis pessoas na Terra não tem comida suficiente para viver uma vida saudável (fonte: The World Facts). Todos os anos, os consumidores dos países ricos desperdiçam quase tanto alimento (222 milhões de toneladas) quanto toda a produção líquida de alimentos da África subsaariana (230 milhões de toneladas).  

Por fim, o desperdício alimentar é também um problema ambiental: água e terra são desperdiçadas. Os resíduos alimentares enviados para aterros sanitários libertam metano, que é cerca de 20 vezes mais nocivo para o ambiente do que o CO2. Além disso, com os resíduos alimentares, 8% das emissões globais de gases de efeito estufa são produzidas desnecessariamente, contribuindo para o aquecimento global e as alterações climáticas (fonte: Comissão Europeia) 

Naturalmente, o problema do desperdício de alimentos deve ser resolvido na raiz. Deve sempre ser dada preferência à redução, reutilização e reciclagem (a política dos 3R) em um típico sistema de gestão de resíduos. Mas a realidade é que existe uma assimetria entre o local onde é produzida a maior parte dos resíduos alimentares e o local onde vivem as pessoas que passam fome.  

Assim, se olharmos mais de perto para os números, algumas das questões relacionadas com o desperdício de alimentos podem ser parcialmente resolvidas através da energia e, em particular, da cogeração. Frutas e vegetais, como raízes e tubérculos, têm as maiores taxas de desperdício quando comparadas com a de qualquer outro alimento. A quantidade global de desperdício alimentar por ano é de aproximadamente 30% para os cereais; 45% para raízes e tubérculos, frutas e vegetais; 20% para as sementes oleaginosas, carne e lacticínios; e 35% para o peixe (fonte: FAO). É uma combinação perfeita para gerar biogás.  

A AB entregou recentemente uma usina de cogeração de 850 kWe à Hitachi Zosen Inova (HZI), líder global em soluções de gestão de energia e resíduos. A usina acaba de ser instalada no município de San Luis Obispo, Califórnia, que estabeleceu uma das metas de neutralidade de carbono mais ambiciosas dos Estados Unidos. A usina HZI produzirá cerca de 2.900.000 Nm3 de biogás e 22.000 toneladas de composto de alta qualidade e fertilizante líquido por ano a partir de 33.000 toneladas de resíduos verdes e biorresíduos. Serão acrescentadas cerca de 8.000 toneladas de resíduos alimentares. Todo o biogás será convertido em eletricidade renovável, proporcionando um rendimento energético de 6.200.000 kWh/a, suficiente para cobrir o consumo anual de mais de 600 residências. Na AB, temos orgulho de contribuir para um projeto que reduz o impacto ambiental em um Estado sensível como a Califórnia, cria empregos a nível local, gera energia renovável e fornece uma solução eficiente para uma economia circular na qual os resíduos alimentares deixam de ser apenas resíduos.